• Últimas Notícias

    sábado, 1 de agosto de 2020

    Campanha de Vacinação contra o Sarampo começa segunda-feira (03)

    A partir dessa segunda-feira (03) até 31 de agosto, a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), realizará a Campanha de Vacinação contra o Sarampo no RN. O objetivo é imunizar as pessoas de 20 a 49 anos de idade contra a doença que voltou a circular no Brasil.

    No Rio Grande do Norte, cerca de um milhão e meio de pessoas se encontram nessa faixa etária. A meta é vacinar 95% desse público. Segundo a coordenadora do Programa Estadual de Imunizações, Katiucia Roseli, “a vacinação é a principal forma de proteger a população contra o sarampo, interrompendo a cadeia de transmissão do vírus, reduzindo a incidência e gravidade da doença nesse público-alvo”.

    Brasil avança em acordo para produzir 100 milhões de doses da vacina de Oxford

    O Brasil deu mais um passo nesta sexta-feira (31) para a produção de vacinas contra a Covid-19 no país. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Ministério da Saúde, assinou um memorando de entendimento com o laboratório AstraZeneca para possibilitar a produção de 100 milhões de doses da imunização no Brasil.

    A AstraZeneca é a farmacêutica responsável pelo projeto de vacina conduzido em parceria com a Universidade de Oxford e que está sendo testada em diversos países, entre eles o Brasil. O acerto ainda não é definitivo, mas cumpre uma etapa que estava sendo aguardada desde que o Ministério da Saúde manifestou a intenção de aderir de fato ao projeto.

    Em comunicado, o governo anunciou que investirá R$ 522 milhões na estrutura de Bio-Manguinhos, unidade da Fiocruz capaz de produzir as doses da vacina. A União ainda se comprometeu com um aporte de R$ 1,3 bilhão em pagamentos para a transferência das tecnologias necessárias.

    O Ministério da Saúde afirma que a adesão definitiva do Brasil ao projeto será assinada na segunda semana do mês de agosto. Segundo a nota da pasta, a Fiocruz já recebeu da AstraZeneca as informações necessárias para a ampliação de Bio-Manguinhos e colocará seus serviços técnicos à disposição da iniciativa.

    A vacina produzida pela fundação será distribuída, diz o comunicado, pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Em entrevista recente à CNN, o secretário de vigilância em saúde, Arnaldo Correia de Medeiros, projetou que 15 milhões de brasileiros possam receber a vacina ainda em 2020, com prioridade para os grupos de mais risco para a Covid-19, como idosos e portadores de doenças pré-existentes.

    CNN BRASIL

    Aras discute com subprocurador e encerra reunião de conselho do MPF

    A reunião do Conselho Superior do Ministério Público Federal (CSMPF) nesta sexta-feira (31) foi encerrada de forma abrupta após um acirramento das discussões entre o procurador-geral Augusto Aras e parte dos integrantes do colegiado.

    A discussão se acirrou quando o subprocurador-geral Nicolao Dino manifestou, em nome dele e de colegas, críticas às posições que Aras vem manifestando a respeito das forças-tarefas do MPF, com destaque para a Operação Lava Jato. Na terça (28), o procurador-geral disse que o grupo manteria informações que não constam dos sistemas do MPF e que é uma “caixa de segredos”.

    “Vossa Excelência, com o peso da autoridade do cargo que exerce e com o pretexto de corrigir rumos com os supostos desvios das forças-tarefas, fez graves afirmações em relação ao funcionamento do Ministério Público Federal em debate com grupo de advogados”, disse Dino.

    Na visão do subprocurador, Aras não age com “espírito construtivo” e provoca conflitos internos na corporação que representa.

    Aras respondeu acusando subprocuradores de lhe fazerem “oposição sistemática” ao plantar “fake news” sobre ele e seus familiares à imprensa.

    Aras acusou Dino de ser “porta-voz” de alguns que fazem oposição sistemática à sua gestão. Acusou colegas de plantar “fake news” envolvendo sua família para a imprensa e classificou isso de muito covarde. “Não vou atingir a família dos senhores, não”, avisou.

    O procurador-geral disse que tem “provas” para sustentar as críticas que fez à força-tarefa da Lava Jato e que isso está sob apuração da Corregedoria do MPF e do Conselho Nacional do Ministério Público.

    Ao final do encontro, o procurador-geral da República disse que rejeitava os conselhos do colega e encerrou a reunião do CSMPF. “Por isso, doutor Nicolao, rejeito seus conselhos e espero que os órgãos oficiais respondam à vossa excelência e aos seus liderados”, diz.

    Augusto Aras levantou da cadeira e se recusou a ouvir os comentários de outros conselheiros, que participavam da reunião por videoconferência.

    Discussão

    Antes de Dino expor sua “perplexidade” quanto à postura recente de Aras, o procurador-geral chegou a dizer que não permitiria ao colega que expusesse sua opinião por esta fugir do tema da reunião, que era o orçamento da entidade.

    “Conselheiro Nicolao Dino, essa sessão é para o orçamento. Solicito a vossa excelência que reserve suas manifestações pessoais e de seus colegas, meus colegas, para após a sessão”, disse.

    Ao que Dino replicou: “O regimento interno me faculta o uso da palavra. Não faz sentido que se cerceie o uso da palavra por parte de um membro desse conselho. Isso nunca aconteceu nesse colegiado.”

    Após a discussão, a ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República) divulgou nota em que considera “inaceitáveis” as falas de Aras na reunião e afirma que os membros do CSMPF foram alvo de ofensas do procurador-geral.

    “O respeito ao MPF e a manutenção do decoro em seu órgão máximo, o Conselho Superior, devem ser observados por todos os membros da instituição e, principalmente, o PGR. Exatamente por isso, as falas registradas no início da noite desta sexta-feira são inaceitáveis”, diz a nota.

    Ainda segundo a ANPR, a “agressão a qualquer deles [membros do CSMPF] é, assim, uma agressão a todas as procuradoras e procuradores da República e à própria instituição.”

    Grupos opostos

    Augusto Aras e Nicolao Dino pertencem a vertentes opostas dentro do Ministério Público Federal. Uma das principais divergências trata da forma da escolha do procurador-geral da República.

    CNN BRASIL