• Últimas Notícias

    quinta-feira, 21 de novembro de 2019

    Aduern acusa Governo de descumprir acordo e vai usar verba extra para pagar 13º de 2019

    A Associação dos Docentes da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (ADUERN) informou, por meio de seu site oficial, que o Governo do Estado descumpriu o acordo firmado com sindicatos no início do ano e que previa que toda verba extra que entrasse nas contas do Estado, seria destinada ao pagamento dos salários que permanecem atrasados. Os servidores da UERN ainda aguardam pelos salários de novembro, dezembro e o 13º de 2018.

    O Fórum dos Servidores do RN, participou de reunião na manhã de ontem com o Governo do Estado. Representando a ADUERN, participaram a presidenta e vice do sindicato, Patrícia Barra e Kelânia Mesquita. Dentre os representantes do Executivo, estava presente a equipe econômica, o Gabinete Civil e o Governador em exercício, Antenor Roberto.

    Segundo a associação, para o pagamento do 13º deste ano, que deve ocorrer até o dia 30 de dezembro, o Governo afirma já ter assegurado R$ 120 milhões, referentes à venda da Folha dos servidores e a expectativa é de que o Estado receba mais R$ 160 milhões até o dia 27 de dezembro, obtidos em razão do leilão do pré-sal. O restante do valor necessário para o pagamento do 13º deverá ser adquirido por meio de um empréstimo, utilizando os royalties como garantia.

    “Saímos desta reunião com apenas uma certeza: o Governo realmente não tem planejamento sólido que contemple o pagamento dos salários atrasados. Toda a verba extra que inicialmente foi colocada pela Governadora como estratégia para quitar as dívidas do Estado com os servidores, agora está sendo usada como forma de pagamento das folhas atuais. Desta forma, não há nada concreto em relação ao pagamento dos passivos de 2018 ”, destacou a presidenta da ADUERN, Patrícia Barra.

    WhatsApp vai avisar quando contas forem invadidas

    Resultado de imagem para whatsappO WhatsApp está liberando um novo recurso de segurança que promete conter a onda de invasões às contas do mensageiro. Ainda em caráter de testes, a nova funcionalidade vai enviar um alerta nos dispositivos já habilitados pelo usuário sempre que houver uma tentativa de ativação do software em um novo aparelho.

    O gatilho para o alerta será o envio de uma mensagem de verificação, essencial para que o processo aconteça. Diante do aviso, caso não tenha pedido ativação alguma, o utilizador já saberá que algo de errado pode estar acontecendo e tomar as medidas necessárias, como ativar a autenticação em duas etapas, por exemplo, ou procurar se proteger contra uma possível clonagem de seu número.

    O alerta respeitará as configurações do aparelho, mas a ideia do WhatsApp é que ele apareça no máximo de locais possíveis, como centrais de notificações e por meio de alertas no próprio aplicativo. Junto, está a indicação de que códigos de verificação não devem ser compartilhados com ninguém, caso o pedido tenha sido feito pelo próprio usuário, mas a pedido de terceiros, em outra categoria comum de golpe que tenta roubar contas do mensageiro.

    Nesse tipo de tentativa, criminosos se passam por empresas de e-commerce ou outras em ligações telefônicas, feitas a partir de dados disponíveis publicamente na internet. Em determinado momento, fazem a solicitação de ativação do WhatsApp em outro aparelho e pedem à vítima o código enviado por SMS. A ideia, em todos os casos de invasão do mensageiro, é efetuar extorsão ou pedido de dinheiro junto aos contatos registrados.