• Últimas Notícias

    sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

    Polícia Civil desarticula quadrilha que vendia 100 quilos de drogas por mês na região de Touros

    A Polícia Civil desarticulou uma quadrilha que vendia aproximadamente 100 quilos de drogas por mês na região de Touros, no litoral Norte potiguar. A chamada Operação Aquiles resultou na prisão de sete pessoas e no cumprimento de um oitavo mandado contra um homem que já estava detido em uma unidade carcerária do Estado.

    De acordo com o delegado João Paulo Cabral, que comandou a ação, duas mulheres e cinco homens foram presos. Uma delas, de 55 anos, é a mãe do suspeito que já está encarcerado.

    Com o grupo, foram apreendidos três revólveres e uma pequena quantidade de entorpecentes. Além disso, os policiais também encontraram objetos roubados.

    G1 RN

    Surfista é mordido no rosto por tubarão em Fernando de Noronha

    Resultado de imagem para Surfista é mordido por tubarão em Fernando de NoronhaO surfista Vinícius Cavalcanti, 31 anos, foi mordido, nesta quinta-feira (14) por um tubarão enquanto surfava na praia da Cacimba do Padre, em Fernando de Noronha. A vítima, que mora na ilha, teve ferimentos superficiais no rosto, pescoço e orelha. 

    Segundo informações do Hospital São Lucas, para onde o surfista foi encaminhado, apesar do sangramento intenso, a vítima chegou à unidade de saúde com "sinais vitais estáveis, lúcido e orientado". 

    O incidente ocorreu à noite, quando ele, que é vendedor de açaí na região, aproveitou o final do expediente para surfar. Ao trombar com o tubarão, o animal reagiu mordendo a vítima.

    A administração da Ilha se refere ao caso como um incidente e afirma não ser comum ataques da espécie tubarão-limão. Em nota, a administração de Fernando de Noronha lamentou o ocorrido e ressaltou que a superintendência de saúde da Ilha está em prontidão para prestar qualquer atendimento durante o processo de recuperação da vítima.

    Folha Pe

    Bolsonaro define idades mínimas de 62 e 65 anos na Previdência

    O presidente Jair Bolsonaro decidiu nesta quinta-feira (14) que a nova reforma previdenciária estabelecerá idades mínimas de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens.

    Em reunião com a equipe econômica, ficou estabelecido que haverá um período de doze anos de transição para se chegar aos pisos para recebimento da aposentadoria. A confirmação foi feita pelo secretário especial de Previdência do Ministério da Economia, Rogério Marinho. Segundo ele, a equipe econômica defendeu uma única idade mínima para homens e mulheres de 65 anos, o que foi recusado pelo presidente.

    A expectativa é de que na próxima quarta-feia (20) o presidente assine o texto e, no mesmo dia, ele seja divulgado publicamente e enviado à Câmara dos Deputados.

    Anvisa proíbe venda de lotes de frango da Perdigão

    Na quarta (13), a BRF recolheu aproximadamente 164,7 toneladas de carne de frango in natura destinadas ao mercado domésticoA Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a venda e a distribuição, em todo o país, de alguns lotes de derivados de frango in natura da marca Perdigão. O motivo é a suspeita de contaminação dos produtos por Salmonella enteritidis, bactéria que pode provocar infecção gastrointestinal, quadro que tem como principais sintomas dores abdominais, diarreia, febre e vômito. A bactéria é encontrada no sistema digestivo de animais e em vegetais plantados em solos contaminados.

    Segundo o comunicado da BRF, conglomerado que detêm mais de 30 marcas, incluindo a Perdigão e a Sadia, o contágio pela bactéria pode ocorrer quando os alimentos não são completamente fritos, cozidos, assados ou manuseados conforme descrito nas embalagens.

    A BRF anunciou o recolhimento de 164 toneladas de cortes e miúdos de frango in natura, como filezinho (Sassami), filé de peito e coração, suspeitos de contaminação. O volume representa 0,1% da produção mensal de frango da empresa no país.

    Por Agência Brasil

    Familiares de mortos em Brumadinho rejeitam proposta indenizatória da Vale

    Os familiares dos funcionários da Vale e das empresas terceirizadas que morreram na tragédia de Brumadinho (MG)rejeitaram na noite desta quarta-feira (13) um acordo de indenização proposto pela mineradora. As informações são da Agência Brasil.

    A decisão foi tomada em assembleia na sede da câmara de vereadores do município e acompanhada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), pela Defensoria Pública da União, por sindicatos e por movimentos sociais. Segundo dados mais recentes da Defesa Civil de Minas Gerais, 166 pessoas foram encontradas mortas e 155 pessoas estão desaparecidas.

    A proposta da mineradora envolvia o pagamento de indenização por danos morais de acordo com o parentesco com as vítimas. Cônjuge ou companheiro receberia R$ 300 mil, cada filho R$300 mil, cada pai e mãe R$150 mil, cada irmão e irmã R$75 mil.

    Além disso, o acordo sugerido incluía plano de saúde para os familiares do morto e pagamento mensal correspondente a dois terços do salário líquido do trabalhador até a data em que ele completaria 75 anos. Isso valeria tanto para os empregados da Vale como também para os terceirizados. Exclusivamente para os funcionários da mineradora que sobreviveram, já foi assegurado o salário até o fim de 2019.

    A assembleia reuniu cerca de 300 pessoas e os presentes também decidiram criar uma comissão de parentes, trabalhadores e representantes de sindicatos para acompanhar a negociação e fortalecer o canal de comunicação entre os atingidos e o poder público. De acordo com o MPT, a recusa da proposta de indenização deverá ser comunicada à Vale em audiência na Justiça do Trabalho agendada para sexta-feira (15).

    Procurada para comentar a decisão dos atingidos, a mineradora ainda não respondeu.

    Por: Folhapress