• Últimas Notícias

    segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

    Servidores da Polícia Civil e Sesed paralisam trabalhos a partir da 4ª feira

    A partir da quarta-feira, 26, os policiais civis do Rio Grande do Norte paralisam suas atividades por tempo indeterminado até que o Governo do Estado tenha uma solução para o pagamento dos salários atrasados da categoria.

    A decisão aconteceu durante assembleia geral realizada nesta segunda-feira, 24, com a presença de agentes e escrivães na sede do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol). A intenção, a partir de agora, é de paralisar 100% dos serviços.

    Ficou deliberado que, às 8h, todos os policiais civis irão para a Central de Flagrantes. A partir de então, a categoria estará mobilizada por tempo indeterminado.

    Nilton Arruda, presidente do SINPOL-RN, afirma que se o governador Robinson Faria anunciou pagamento do 13º salário de 2017 dos policiais militares para o dia 28 deve fazer o mesmo para as outras categorias.

    “O sentimento atual é de grande revolta, pois ao anunciar o pagamento apenas para uma categoria da Segurança o Governo promove uma injustiça e discriminação. Infelizmente, nos últimos dias da sua gestão, o governador gera um caos na Segurança Pública ao adotar esse posicionamento”, comenta Nilton Arruda.

    Agora RN

    Bolsonaro diz que vai revogar medidas que "só servem para arrecadação"

    A seis dias da posse, o presidente eleito Jair Bolsonaro reafirmou hoje (24) a defesa dos interesses da população e do desenvolvimento do país. Em mais uma postagem em sua conta no Twitter, Bolsonaro disse que assim que assumir vai revogar decisões tomadas em diferentes áreas que não têm beneficiado os brasileiros. 

    "Inúmeras regulamentações em todos os setores que só servem para arrecadação e entraves de desenvolvimento, sem nenhum retorno prático ao cidadão, irão ser revogadas rapidamente em meu governo”, destacou.

    Desde a campanha eleitoral, a equipe de transição tem como principa bandeira a redução dos gastos e estrutura da máquina pública. “Menos interferência do Estado significa melhores condições de vida ao brasileiro", voltou a defender Bolsonaro na manhã desta segunda-feira.