• Últimas Notícias

    domingo, 2 de setembro de 2018

    GOLPE??: Artistas e simpatizantes se revoltam com mais alianças entre PT e golpistas

    Tico Santa Cruz se revolta com aliança do PT com Eunício: ‘Nojeira’
    Fernando Haddad (candidato de Lula) e Eunício Oliveira (Golpista) juntos pelo poder
    Na última sexta-feira (31), Fernando Haddad e Eunício Oliveira se encontraram em Fortaleza durante um evento de campanha do senador, que tenta reeleição ao Senado pelo MDB do Ceará. Eles posaram juntos para fotos e estavam sorridentes.

    Só que a questão é: no processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, Eunício votou a favor da saída da petista do cargo, o que na teoria deveria colocar PT e PMDB bem longes um do outro.

    A coligação, assim como a foto de Haddad e Eunício lado a lado, acabou irritando muitos simpatizantes do PT que foram contra ao afastamento de Dilma da Presidência, entre eles o músico e ativista político Tico Santa Cruz. 

    Neste domingo (2), o líder da banda Detonautas escreveu um longo texto no Facebook no qual critica a aliança do PT e MDB.

    “O PT - partido da Presidenta Dilma ( que foi injustamente retirada da presidência) - agregou gente de diversos partidos e orientações para tentar impedir que esse GOLPE avançasse! Muitos, como eu, que não tinham vínculo com o partido e estavam defendendo a Democracia passaram a ser hostilizados. Depois de tudo isso, que todos nós que lutamos contra o Golpe passamos, com todas as perdas que sofremos na nossas vidas sociais, profissionais, afetivas, e em todos os aspectos por conta dessa NARRATIVA. Me sinto um IDIOTA, ao ver setores do PT minimizando alianças com aqueles que transformaram a vida de milhões de Brasileiros nesse inferno que estamos vivendo”, escreveu Tico, chamando a política de “nojeira”.

    “Não estou decepcionado, porque SEI que a Política brasileira é essa NOJEIRA que estamos acostumados a ver! Só me sinto FRUSTRADO por mais uma vez, ver que no momento em que poderíamos optar por mudanças, OS MESMOS MOVIMENTOS QUE LEVARAM AO GOLPE estão sendo reproduzidos”, acrescento.

    Notícias ao Minuto

    Pabllo Vittar encerra parceria com marca após proprietário apoiar Bolsonaro

    A cantora Pabllo Vittar resolveu colocar um fim na parceria que tinha com a marca de sapatos Victor Vicenzza. O anúncio do rompimento foi feito neste sábado, 1º, logo após o dono da grife manifestar apoio ao presidenciável do PSL Jair Bolsonaro nas redes sociais. 

    Em seu perfil no Instagram, Pabllo desabafou sobre as dificuldades de encontrar marcas que realmente tenham interesse em trabalhar com artistas LGBT+. "Deixo aqui meu agradecimento de apoio até agora, mas não poderia aliar meu trabalho a um discurso que deixa claro não se importar com os direitos humanos de toda a comunidade LGBTQIA da qual faço parte", escreveu em publicação no Instastories. LGBTQIA é a sigla para designar Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais, Transgêneros, Queer, Intersexo e Assexual.
    "Adianto que foram produzidos alguns trabalhos que contêm peças de marcas que, a partir de agora, não vinculo mais a minha imagem", concluiu.

    O dono da marca, Victor Vicenzza, também se pronunciou sobre o assunto. "Acredito que Bolsonaro é o único candidato apropriado para liderar a nação", disse em nota oficial lançada no Instagram.

    A marca, que é conhecida por vender sapatos femininos de tamanhos grandes com o objetivo de atingir o público LGBT, foi acusada de oportunismo, já que suas campanhas publicitárias carregam uma mensagem de empoderamento e diversidade, o que vai totalmente contra o discurso pregado pelo candidato apoiado pelo proprietário.

    "Se eu, Victor, estivesse exclusivamente pensando em dinheiro, sob hipótese alguma, manifestaria publicamente meu posicionamento político. Estou junto na sua luta, por uma nação grande, próspera e unida", finalizou. (OPovo)

    Caminhoneiros descartam nova greve, mas consumidores fazem fila em postos

    A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) decidiu ajustar a tabela de preços mínimos de frete por causa da alta recente de 13% no preço do diesel nas refinarias. Nesta segunda-feira, 03, técnicos da agência se reúnem com o ministro do Transportes, Valter Casimiro Silveira, para definir a calibragem do reajuste.

    O tabelamento do frete rodoviário foi um dos pedidos dos caminhoneiros atendidos pelo governo Michel Temer para por fim, em maio deste ano, à paralisação da categoria que durou 11 dias e provocou grave crise de abastecimento no País. Uma lei sancionada em 8 de agosto estabelece que uma nova tabela de preços deve ser publicada toda vez que o diesel variar mais do que 10%. A expectativa é de os ajustes sejam anunciados em poucos dias.

    Durante este fim de semana, nota distribuída por uma entidade de caminhoneiros convocando, por rede social e aplicativos de celular, uma nova greve para o dia 9 causou apreensão. A convocação, feita pela União dos Caminhoneiros do Brasil (UDC) não foi reconhecida por outras entidades representativas dos caminhoneiros, como a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) – a principal liderança da greve de maio – e sindicatos de diversas regiões do País.

    Apesar disso, o temor de um novo período de desabastecimento provocou filas em postos de gasolina em algumas regiões. Foram registradas longas filas de carros em Belo Horizonte (MG) e Recife (PE) neste domingo.

    A ANTT se apressou em divulgar, no site, no sábado, nota informando não ter sido procurada pela UDC e que já estava discutindo a tabela de frete. Hoje, diante do recrudescimento dos rumores, nova nota informa que a tabela será revista em função do preço do diesel. Caminhoneiros também reclamam que a ANTT precisa fiscalizar a aplicação da tabela por parte dos contratantes, o que não estaria ocorrendo em várias partes do País.

    A ANTT argumenta, no entanto, que precisa de uma regulamentação específica para poder fiscalizar os preços cobrados no transporte de cargas – algo que nunca foi feito no Brasil. Isso demanda discussões com todos os envolvidos e abertura de consulta pública, cujo prazo pode chegar a 60 dias. Na prática, a fiscalização não começará imediatamente.

    Um dos principais líderes da greve dos caminhoneiros realizada em maio, Wallace Landim, conhecido como Chorão, descartou a possibilidade de nova paralisação da categoria nesta semana, rebatendo rumores que circularam no fim de semana. Chorão disse que a próxima manifestação da categoria está convocada para o dia 12 de setembro, quando os caminhoneiros devem fazer um protesto em frente à a ANTT em Brasília, para cobrar fiscalização para o cumprimento do tabelamento de frete.

    Já o presidente do Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens no Estado do Pará (Sindicam-PA), Eurico Tadeu Ribeiro dos Santos, afirmou que “oportunistas” estão usando o nome da categoria. Segundo ele, não há neste momento perspectiva de greve semelhante à ocorrida em maio.

    “O governo fez a parte dele, criou todas as condições, criou a tabela do frete”, afirmou. “Tem gente usando a categoria para se promover.”

    Com informações do Estadão Conteúdo

    Dois apostadores dividem prêmio da Mega-Sena e faturam R$ 22 milhões

    Dois apostadores acertaram as seis dezenas do concurso 2.074 da Mega-Sena. Os bilhetes de Passos (MG) e de São Sebastião (SP), vão render o prêmio de R$ 22.327.541,33 para cada um. 

    Os números sorteados neste sábado (1º), em São José do Cedro (SC), foram os seguintes: 08, 18, 23, 37, 42 e 58. O prêmio estimado para o próximo sorteio, no dia 5, é de R$ 20 milhões.

    Confira o rateio oficial:
    Sena - 6 números acertados - 2 apostas ganhadoras, R$ 22.327.541,33
    Quina - 5 números acertados - 172 apostas ganhadoras, R$ 19.405,99
    Quadra - 4 números acertados - 8812 apostas ganhadoras, R$ 541,11

    Folhapress







    Dilma rebate Marina Silva: ‘Sempre foi dissimulada, agora difama’

    A presidente deposta pelo impeachment e candidata ao Senado pelo PT de Minas Gerais, Dilma Rousseff, rebateu na noite deste sábado 1º, pelo Twitter, declaração feita pela presidenciável Marina Silva, da Rede Sustentabilidade, que afirmou que Dilma e Temer eram "farinha do mesmo saco".

    "De tanto se esconder e se omitir dos problemas do país, a ex-senadora Marina Silva, que sempre foi dissimulada, agora difama. Fui vítima de um golpe cometido por uma aliança acusada de corrupção e gravada querendo o golpe para 'estancar a sangria'", postou Dilma.

    "Um golpe e um governo golpista que a ex-senadora Marina nega existir, mas que apoiou e continua apoiando. Fui vítima do golpismo do senador Aécio Neves, que não soube perder a eleição. Candidato apoiado pela ex-senadora Marina, que lutou para elegê-lo, mesmo o conhecendo bem", continuou.

    "Por isso, as avaliações da ex-senadora procuram esconder sua notória omissão e seus equívocos políticos. Assim, não lhe reconheço qualquer autoridade política e ética para me avaliar", completou a presidente deposta.

    Durante entrevista no Jornal Nacional, na última quinta-feira, Marina foi questionada sobre seu posicionamento a respeito do impeachment que tirou Dilma do poder. 

    Marina respondeu: "Dilma e Temer são farinha do mesmo saco e angu do mesmo caroço. Ambos cometeram os mesmos crimes". (Minas 247)

    União dos Caminhoneiros diz que fará nova paralisação

    Categoria pode parar depois do 7 de setembro por tempo indeterminado
    Categoria pode parar depois do 7 de setembro por
     tempo indeterminadoFoto: Antônio Cruz/ABr
    Em nota divulgada pela UDC (União dos Caminhoneiros do Brasil), caminhoneiros da entidade afirmam que farão uma mobilização em todo o país após o feriado de 7 de Setembro e por tempo indeterminado.

    A UDC acusa o governo de não ter cumprido o prometido em relação ao preço do diesel, que na última sexta-feira (31) teve reajuste de 13%. A lei que estabeleceu a nova política de frete prevê revisão dos pisos mínimos caso o combustível tenha oscilação superior a 10%, para acomodar o aumento de custos dos caminhoneiros.

    A entidade reclama da falta de fiscalização nas estradas pelaANTT. A UDC pede mais fiscais e postos de fiscalização que obriguem às transportadoras a cumprirem a tabela mínima do frete. "Pedimos imediatamente as seguintes providências afim de que a população brasileira não sofra os danos de uma nova paralisação", afirma a nota.

    Folhapress