• Últimas Notícias

    quinta-feira, 5 de julho de 2018

    STF afasta ministro do Trabalho em nova fase da operação Registro Espúrio

    Yomura
    Foto: Albino Oliveira
    O ministro do Trabalho Helton Yomura é um dos alvos da terceira fase da operação Registro Espúrio. Além de ser alvo de busca e apreensão, a Polícia Federal e a Procuradoria-geral da República pediram ao Supremo Tribunal Federal (STF) o afastamento de Yomura do ministério. A medida foi aceita pelo ministro Edson Fachin, relator do caso na corte.

    A ação é um desdobramento da operação Registro Espúrio que investiga desvios no Ministério do Trabalho relacionados à concessão do registro sindical.

    Yomura é apadrinhado político do ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) e de sua filha, a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ), ambos foram alvos das primeiras fases da Registro Espúrio.

    A terceira fase da Operação Registro Espúrio, segundo a PF, tem como objetivo de “aprofundar as investigações a respeito de organização criminosa que atua na concessão fraudulenta de registros sindicais junto ao Ministério do Trabalho.”

    MPRN denuncia ex-gestor e contador por ocultação de documentos públicos

    O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), através da Promotoria de Justiça de Extremoz, denunciou ex-gestor do Município, Klauss Francisco Torquato Rêgo e o contador, Francisco Vivaldo Jácome de Oliveira, por ocultação de documentos. O MPRN acusa os demandados de terem negligenciado por cinco meses os arquivos que deveriam ter sido entregues durante o período de transição para a nova administração municipal. 

    O MPRN apurou que foram ocultadas nove caixas de documentos públicos necessários para essa mudança administrativa. O fato prejudicou a prestação de contas para o atual chefe do Executivo Municipal, que teve que declarar Estado de Emergência.

    Além disso, mesmo após a devolução dos documentos, foi verificado que não constavam todos os documentos sonegados, uma vez que diversos procedimentos que tramitavam pela Promotoria e pela Justiça não estavam presentes. 

    Entre os dados omitidos estava o procedimento referente a uma licitação de serviço de limpeza urbana contratada pelo ex-gestor. Tal documento, inclusive, é objeto de análise do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RN).

    Operação do MPRN contra facção cumpre mandados em quatro Estados; advogado é preso em Natal

    O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) deflagrou nesta quinta-feira, 5, a operação Mamulengo para combater a atuação de uma facção criminosa dentro e fora de unidades prisionais.

    Além do RN, a operação é realizada em São Paulo, Paraná e Mato Grosso do Sul. De acordo com o MP potiguar, um advogado suspeito de ter sido “batizado” pela facção criminosa foi preso em Natal. Estão sendo cumpridos mandados de prisão e de busca e apreensão.

    A ação tem o apoio da Polícia Militar, da Polícia Rodoviária Federal, do Núcleo Especial de Investigação Criminal (Neic) da Polícia Civil e do Grupo de Operações Especiais (GOE) da Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania (Sejuc). O Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPSP e do MPMS, e a Polícia Civil do Paraná também dão apoio à operação.

    O nome da operação Mamulengo, que é um tipo de fantoche do Nordeste brasileiro, é uma referência à subserviência dos integrantes da facção no RN às chefias em SP.