• Últimas Notícias

    sexta-feira, 8 de junho de 2018

    Ministério da Saúde divulga levantamento sobre as cidades do RN com o maior risco de surto de dengue, zika e chikungunya

    O novo Levantamento Rápido de Índices de Infestação Predial pelo Aedes aegypti (LIRAa) divulgado nesta quinta-feira, 7, pelo Ministério da Saúde (MS) indica que o Rio Grande do Norte tem cinco dos dez municípios com o maior risco de ter surto de dengue, zika e Chikungunya.

    As cidades potiguares com alto índice de infestação são Jucurutu (24,8), Acari (23,5), Pilões (21,2), Canguaretama (21,) e Marcelino Vieira (20,5). O município brasileiro com o maior risco de surto de arboviroses é Itiúba. O índice na cidade baiana é de 28,6. Além destas cinco cidades, o RN ainda tem outros 101 municípios com risco.

    Confira abaixo as cidades potiguares com risco de surto: (quanto maior o valor, maior a probabilidade de infestação)

    Entra em vigor a partir desta sexta-feira suspensão de 31 planos de saúde

    A partir desta sexta-feira (8), 12 operadoras de saúde suplementar estão proibidas de comercializar 31 planos de saúde. A decisão foi tomada pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), com base em reclamações recebidas pelo Programa de Monitoramento da Garantia de Atendimento da agência reguladora, durante o primeiro trimestre deste ano.

    Os planos atendem a 115,9 mil beneficiários, que não serão afetados pela medida, uma vez que os planos são obrigados a manter a assistência aos clientes. A decisão da ANS proíbe apenas a venda para novos clientes.

    A suspensão é temporária e pode ser revertida se as operadoras comprovarem melhoria no atendimento. Trinta e três planos de 16 operadoras, que haviam sido suspensos anteriormente, por exemplo, serão reativados a partir de sexta-feira.

    A ANS analisou aproximadamente 14 mil reclamações, das quais a maioria (39,53%) de queixas por questões gerenciais, como autorização prévia, franquia e coparticipação.

    Houve ainda reclamações de problemas relacionados ao rol de procedimentos e coberturas (15,85%) e prazos máximos para atendimento (15,04%).

    Por Agência Brasil

    Justiça do RN atende pedido do MPRN e bloqueia bens de deputado estadual

    Ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público obteve decisão que bloqueou os bens do deputado estadual Galeno Torquato e outros sete acusados até o limite de R$ 664.880,78.

    Para a juíza de Direito de São Miguel, Erika Souza Corrêa Oliveira, na ação “está demonstrada de forma clara e esmiuçada que os réus causaram dano ao erário”. O bloqueio, segundo a magistrada, é uma medida preventiva para garantir, ao final do processo, a possibilidade de ressarcimento ao erário.

    Os ilícitos foram cometidos no município de São Miguel em 2009, no qual o acusado exerceu cargo de prefeito. A improbidade se caracterizou pelo fracionamento de licitação. Foram dois contratos realizados por meio da modalidade de “Convite”, sob a alegação de que se tratavam de objetos diferentes.

    O Convite é uma forma mais simples de licitação; e é escolhida em razão de contratações de pequeno vulto pela rapidez de sua implementação. Pela lei de licitação, o valor máximo para contratos nessa modalidade, nos casos de obras e serviços de engenharia, é de até R$ 150 mil. Os acusados, portanto, fracionaram um mesmo objeto de contratação, serviço de manutenção em escolas, para poder “encaixá-lo” na modalidade Convite.

    Os dois convites foram realizados no mesmo dia, com datas de abertura das propostas em 15 de julho de 2009, às 10 horas e 14 horas, com valores de R$ 143.560,64 e R$ 142.039,75. E beneficiaram uma mesma empresa, vencedora dos dois certames. A empresa Jeová Cursino de Sena Pinto, cujo responsável também é réu na ação.

    Além do deputado estadual, são réus no processo Jose Heldison Carvalho de Aquino, Roberto Wagner Rosa Pereira, Walkei Paulo Pessoa Freitas, Clauberto Pinheiro Barbosa, José Pauliner de Aquino, Antonio de Lisboa Sobrinho e Jeová Cursino de Sena Pinto.


    Espaço: Nasa encontra possível evidência de vida no passado em Marte

    A agência espacial americana (Nasa) publicou nesta quinta-feira (7) na revista “Science” um novo achado: material orgânico preservado entre rochas (argilitos) com cerca de três bilhões de anos em cratera do planeta Marte. Os cientistas acreditam que pode ser uma evidência de vida no passado.

    Os dados e amostras foram coletados pelo Rover Curiosity, em missão do planeta vermelho desde 2012. Novas informações sobre a atmosfera de Marte e suas variações nos níveis de metano foram apresentadas em outro artigo publicado também pela “Science”.

    “Material orgânico antigo e misterioso metano! O Rover Curiosity encontrou uma nova evidência preservada nas rochas que sugere que o planeta pode ter suportado vida no passado + uma nova evidência na atmosfera que se relaciona com a busca da vida atual em Marte”, escreveu a Nasa em sua conta no Twitter.

    Apesar de a origem das moléculas ainda não estar clara, a Nasa destacou que esse tipo de partícula pode ter sido a fonte de alimento de uma hipotética vida microbiana em Marte.

    A descoberta não confirma a existência de vida no planeta, disse a especialista, mas mostra que os organismos podem ter sobrevivido no planeta vermelho graças à presença dessas moléculas.

    Eigenbrode explicou que apesar de a superfície de Marte ser inóspita atualmente, os indícios apontam que, no passado, o clima marciano tinha condições propícias para a existência de água líquida, um fator essencial para a vida como conhecemos.

    Outros dados recolhidos pelo Curiosity revelaram que há bilhões de anos um lago dentro da cratera Gale – mesmo local onde estavam as rochas com materiais orgânicos encontrados desta vez – continha ingredientes necessários para a vida, como componentes químicos e energia.

    “Encontrar moléculas orgânicas antigas nos primeiros cinco centímetros de rocha que se depositaram na superfície quando Marte pode ter sido habitável é um bom presságio para que aprendamos a história das moléculas orgânicas no planeta vermelho com futuras missões que aprofundarão mais nosso conhecimento”, afirmou.

    Variação do metano

    Os cientistas da agência espacial também fizeram medições detalhadas do metano na atmosfera de Marte – há uma variação sazonal dos níveis. Pequenas concentrações foram detectadas previamente, mas as origens são um debate e “um mistério”.

    No nosso planenta, a maior parte do metano é produzido por fontes biológicas. Inúmeros processos do meio ambiente de Marte têm sido estudados como uma possibilidade de origem do metano.

    Os pesquisadores do Rover Curiosity analisaram três anos marcianos dos níveis coletados da substância – 55 meses na Terra. Eles descobriram as mudanças sazonais: o índice varia entre 0,24 e 0,65 partes por bilhão, com um pico perto do final do verão no hemisfério norte do planeta vermelho.

    Portal G1