• Últimas Notícias

    sábado, 10 de fevereiro de 2018

    Preço do gás pode antecipar reajuste do Bolsa Família

    O presidente Michel Temer considera antecipar para março o reajuste do Bolsa Família para compensar o aumento do preço do botijão de gás no país.

    A ideia inicial era elevar o benefício social apenas em julho, como foi feito no ano retrasado, mas a alta do gás de cozinha, a maior desde 2002, fez com que o governo mudasse os planos.

    Para este ano, a expectativa é que o programa de transferência de renda tenha um reajuste acima da inflação oficial, que fechou o ano passado em 2,07%. No percentual de aumento, que ainda não foi definido, o Palácio do Planalto considera incluir um adicional para o botijão de gás, que em dezembro teve alta de 16,39% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

    Em entrevista na manhã desta sexta-feira (9) o presidente afirmou que estuda uma maneira de compensar o aumento para a população mais pobre. Ele afirmou que um anúncio será feito nos próximos dias, mas não deu mais detalhes.

    Segundo ele, é necessário fazer algo uma vez que as famílias mais carentes são as mais afetadas pelo encarecimento do botijão de gás.
    VALE-GÁS

    No início da tarde, o emedebista se reuniu com a equipe econômica, no Palácio do Planalto, para discutir possibilidades. No encontro, duas outras alternativas foram cogitadas.

    A primeira foi a criação de um novo subsídio, uma espécie de vale-gás, para pessoas inscritas no Cadastro Único do governo federal, que reúne famílias de baixa renda. A segunda foi a criação de uma verba direcionada no cartão do Bolsa Família para a compra de botijão de gás.

    O presidente pediu ao Ministério da Fazenda que aprofunde os estudos técnicos e jurídicos para saber da viabilidade de ambas.

    Antes da reunião, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que a questão do preço do gás é relevante e que existe uma preocupação muito grande do governo sobre isso.

    A antecipação do Bolsa Família, nas palavras de um assessor presidencial, seria mais efetiva e fácil de ser viabilizada no curto prazo.

    A redução da carga tributária sobre o gás de cozinha também chegou a ser avaliada, mas o presidente a refutou, uma vez que ela não seria direcionada às famílias de baixa renda, mas a todas as camadas sociais.

    Em 2017, o governo não reajustou o Bolsa Família. O presidente queria conceder um aumento de 4,6% como uma maneira de diminuir a sua rejeição, mas a área econômica avaliou que, em meio à crise financeira, não havia espaço orçamentário. O impacto do reajuste seria de R$ 800 milhões.

    Por Folha Press

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.