• Últimas Notícias

    domingo, 22 de outubro de 2017

    Tangará RN: Homem é executado com 5 tiros dentro de residência no bairro do Bubu

    A Polícia Militar de Tangará registrou um homicídio na noite desse domingo (22), no bairro Nossa Senhora de Fátima (Bubu) em cidade de Tangará, região agreste do Rio Grande do Norte. Segundo informações colhidas até o momento, a vítima identificada pelo apelido de "Tonho Bruce" natural de Campestre estava com a atual esposa na casa da sua sogra quando por volta das 19:50 hrs. dois homens encapuzados entraram na residência e efetuaram vários disparos de arma de fogo contra a vítima que não esboçou nenhuma reação e veio a óbito no local. 

    De acordo informações da atual família, a vítima que atualmente morava em Natal estaria em Tangará procurando um terreno para construir uma residência e um imovel para montar um comércio. O PM está no local a espera do Itep para os procedimentos de praxe. 

    Não se sabe porém o que realmente motivou esse homicídio com características de execução. A Polícia Civil investigará esse homicídio.

    Quanta roubalheira: Políticos ganham até pagando multa

    Até agosto, a Justiça Eleitoral distribuiu entre os partidos políticos R$ 55,8 milhões arrecadados apenas com multas e outras penalidades eleitorais. O valor não inclui a distribuição regular do Fundo Partidário, que chega a R$900 milhões. Funciona assim: multas são depositadas em uma conta da Justiça e o total depois é dividido proporcionalmente entre os partidos. Até agora, no ano, foram rateados R$641,3 milhões. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

    Punido por propaganda eleitoral irregular, por exemplo, partido punido recebe de volta parte do que pagou a título de... multa.

    A Lei dos Partidos (9.096/95) define que o Fundo Partidário, hoje de R$830 milhões, é nutrido pelo Tesouro, por doações e... as multas.

    Até agora, em 2107, ano não eleitoral, o Fundo Partidário já distribuiu mais de R$ 585,5 milhões retirados do Tesouro Nacional.

    Os partidos políticos só prestam contas das verbas que recebem uma vez por ano, em 30 de abril. Fiscalização extra só durante as eleições.

    Diário do Poder

    MP avança em investigação sobre irregularidades em política de combustíveis nos governos do PT.

    A ex-presidente Dilma Rousseff
    (Foto: WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO)
    O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro avança nas investigações sobre irregularidades na política de preços de combustíveis praticada pelos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff. 

    Em razão dessa política, a Petrobras calcula prejuízo da ordem de US$ 29,4 bilhões (cerca de R$ 93 bilhões) entre 2011 e 2014, primeiro mandato de Dilma. Consultorias privadas estimam em até US$ 300 bilhões a perda de valor da companhia em decorrência do congelamento de preços.

    Época - Coluna Expresso

    Ministro da Defesa descarta intervenção militar no Brasil

    O ministro da Defesa, Raul Jungmann, descartou neste sábado (21) a possibilidade de haver uma intervenção militar no Brasil por conta da crise política no país.

    O ministro participou neste sábado de uma cerimônia que marcou o fim da operação do Brasil na Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah) e conversou com jornalistas sobre os rumores da participação militar no contexto político do país alimentados por alguns setores da sociedade.

    “Existe paz e tranquilidade dentro dos quartéis e nas Forças Armadas. Resumo o que as Forças Armadas entendem para o momento da seguinte maneira: dentro da Constituição, tudo, fora da Constituição, absolutamente nada”, afirmou o ministro, descartando a possibilidade de uma intervenção militar no Brasil.

    “Para que intervenção militar? Para resolver o problema da Previdência? Para resolver o problema democrático, que está resolvido? Para resolver o problema da inflação, que está sendo resolvido? Para resolver o problema do desemprego, que está caindo? Para que intervenção militar, se o Brasil está sendo passado a limpo? Temos a Lava Jato, que está punindo aqueles que são responsáveis pela corrupção”, acrescentou.

    Jungmann declarou ainda que o Brasil vive um momento bom em que os corruptos estão sendo punidos, e que a situação atual do país é de democracia.

    Por Jornal do Brasil