• Últimas Notícias

    quinta-feira, 8 de junho de 2017

    Chefe militar de Médici pedia propina; qual a diferença hoje?

    Folha de S. Paulo – Matias Spektor
    Um dos principais chefes militares do governo Médici pedia propina a empresários americanos. Com mediação da Fiesp ou por meio de extorsão, ele costurava os laços entre a embaixada americana, a iniciativa privada e o porão. É o que revela um documento secreto recém-aberto ao público.

    Se nossa podridão é de longa data, qual a diferença entre o esquema dos homens de farda e a mala de Rocha Loures, o infame assessor presidencial?

    Há duas alternativas.

    Uma delas é a tese das máfias enquistadas: organizações criminosas teriam ocupado o Estado brasileiro há tempos. Unidos por laços de amizade e parentesco, esses grupos teriam conseguido sobreviver à troca de regime e de governos. Sem importar as circunstâncias, a corrupção passaria incólume.

    Segundo essa concepção, a Lava Jato não conseguirá sanar o problema. Ela pode causar alguma marola, mas dificilmente quebrará o cartel das máfias que hoje mantém a sociedade brasileira rendida. Ao fim do dia, a operação não passará de uma nota de rodapé nos livros de história.

    A outra resposta é mais sofisticada. Ela diz que a corrupção endêmica não é apenas um mecanismo para enriquecer os membros das organizações criminosas vinculadas ao Estado. Antes, a corrupção cumpriria uma função mais precisa: a geração de rendas necessária para dar sustentação política a quem governa.

    Assim, à época da ditadura, quem ocupava o Palácio do Planalto precisava garantir a adesão dos principais chefes militares do país, além dos caciques civis de plantão. Como? Liberando verbas para suas comarcas, empregando aliados, promovendo familiares, criando novas oportunidades de negócio para amigos e fazendo vista grossa às propinas de grandes grupos empresariais.

    Na Nova República o jogo mudou. Agora, a sobrevivência de quem ocupa o Palácio do Planalto depende de mais atores, pois a sociedade vota. Nesse sistema, o presidente depende, acima de tudo, da fidelidade dos partidos da base aliada. É deles –não da popularidade– que seu destino depende.

    No "presidencialismo de coalizão", esse jogo é caro. Para garantir o apoio de deputados e senadores aliados, o governo precisa ajudá-los a garantir a própria reeleição. Mas como nossas eleições estão entre as mais caras do mundo, não basta o Planalto liberar emenda parlamentar a rodo. Precisa também nomear gente da base aliada para as empresas estatais, boquinha infalível, nas quais licitações polpudas abrem o fluxo de caixa de JBS, Odebrecht e tantas outras.

    Esse é o mecanismo que a Lava Jato expôs. Sozinha, ela não resolverá o drama nacional. Ao diagnosticá-lo, entretanto, abre uma rara possibilidade histórica de superação.

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.