• Últimas Notícias

    quinta-feira, 8 de junho de 2017

    Barroso pede perdão por chamar Joaquim Barbosa de 'negro de 1ª linha'

    Resultado de imagem para ministro barroso e joaquim barbosa
    O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso pediu desculpas nesta quinta-feira (8) por ter se referido ao ex-presidente da corte Joaquim Barbosa como um "negro de primeira linha" em cerimônia no dia anterior.
    PUB

    "Uma coisa que eu aprendi na vida é que quando a gente comete um erro, o melhor que se pode fazer é reconhecê-lo o mais rápido possível", afirmou o ministro. Ele falou no início da sessão que deve julgar ação a respeito da lei de cotas raciais no serviço público.

    Segundo ele, pretendia narrar "a sua trajetória vitoriosa e pretendia fazer referência que ele se tornou um acadêmico negro de primeira linha".

    O ministro afirmou que o "primeira linha" se referia a "acadêmico", e que a menção ao fato de Barbosa ser negro seria para "celebrar uma pessoa que tinha rompido o cerco da subalternidade, chegando ao topo da vida acadêmica".

    Afirmou, porém, que utilizou expressão "infeliz". "Não há brancos ou negros de primeira linha, porque as pessoas são todas iguais em dignidade e direitos", disse Barroso.

    O ministro pareceu se emocionar durante o pedido de desculpas. Ao dizer que se arrependia de ter "involuntária e inconscientemente reforçado um estereótipo racista" que passou "a vida tentando combater e derrotar", o ministro fez pausas durante a fala para se recompor.

    Com informações da Folhapress


    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.