• Últimas Notícias

    quarta-feira, 26 de abril de 2017

    Pai enforca filha de 11 meses e transmite crime ao vivo no Facebook

    meninaUm homem de 20 anos envenenou e enforcou a filha de 11 meses ao vivo no Facebook na cidade de Phuket, na Tailândia, na última segunda-feira (21). Wuttisan Wongtlay cometeu suicídio após matar a bebê Beta.

    De acordo com o jornal O Globo, o vídeo de quatro minutos mostra o homem amarrando uma corda em volta do pescoço da criança antes de soltá-la do telhado de um prédio. As imagens ficaram disponíveis por 24h antes de serem retiradas do ar.

    “No vídeo, Wongtalay mostra uma garrafa com um líquido, que depois nós confirmamos que era kratom (bebida feita com planta nativa com efeito sedativo e psicotrópico). Ele dá a bebida para a menina, e também bebe. Depois, ele amarra a corda no pescoço da garota”, descreve o policial Sanit Nookhong.

    “Você pode ouvir o bebê chorando, até que o choro para. Então, ele puxa a menina para o telhado do prédio e solta a corda ao redor do pescoço”, afirma o policial.

    A mãe da menina, Jiranuch Trirat, de 21 anos, viu o vídeo e chamou a polícia. Os agentes encontraram os dois corpos pendurados em um prédio abandonado. A jovem conta que o namorado tinha crise de ciúmes e que havia ameaçado matá-la.

    Na semana passada, o Facebook informou que estava atualizando o sistema de monitoramento de vídeos violentos e outros materiais sensíveis após imagens do assassinato de um idoso em Cleveland, nos Estados Unidos, serem transmitidas ao vivo.

    Notícias ao Minuto

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.