• Últimas Notícias

    terça-feira, 4 de abril de 2017

    O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), através da Coordenação das Promotorias de Justiça de Ceará-Mirim, lançou na segunda-feira (3) o projeto Renascer na Leitura, em benefício dos presos do Centro de Detenção Provisória de Ceará-Mirim (CDP-CM) que tem por objetivo fornecer livros e revistas para leitura pelos custodiados.

    Para o coordenador do projeto, promotor de Justiça Roger de Melo Rodrigues, o Renascer na Leitura tem o propósito de oportunizar uma chance às pessoas presas, inclusive os provisórios, ajudando-os em sua ressocialização.

    Segundo ele, o projeto atua sob três vertentes: do acesso gratuito a livros para os presos como forma de ocupação e ressocialização, bem como da estruturação do CDP para favorecer a leitura; da alfabetização dos apenados iletrados por professores do Município de Ceará-Mirim; além da oferta da leitura como meio de remissão de pena, a ser disciplinado pela Vara Criminal.

    Os livros e revistas disponíveis foram doados com coletas instaladas em três pontos: na sede das promotorias de Justiça de Ceará-Mirim; na sede da procuradoria-geral de Justiça em Natal; e no anexo da sede das promotorias de Justiça da avenida Tororós. Foram arrecadados mais de 1 mil exemplares de publicações.

    O projeto foi lançado ontem de manhã no CDP de Ceará-Mirim e já conta com o interesse de mais de 50 dos 76 presos custodiados na unidade. “O que posso dizer é que eles ficaram muito bem empolgados”, destacou o diretor do CDP, Flávio Lúcio Batista de Almeida.

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.