• Últimas Notícias

    sexta-feira, 24 de março de 2017

    Adolescente processa mãe que o deixou sem celular para que estudasse

    Depois de ser proibido de usar o smartphone para estudar, um adolescente de 15 anos está processando a própria mãe, em Almería, na Espanha. Na ação, julgada na quinta-feira (23/3), ele pedia que ela passasse nove meses presa, enquanto bancava gastos legais dele. A justificativa: maus tratos.

    De acordo com os relatos do processo, eram oito horas da noite e o adolescente não queria parar de jogar e começar a estudar, por isso, a mãe confiscou o telefone. Dada a resistência do menino, a mãe ainda teve que controlar os ataques físicos do filho.

    O garoto decidiu então procurar a Guarda Civil e abriu uma acusação formal junto ao Ministério Fiscal por maus tratos no lar. Além de querer a mãe presa, ele ainda exigiu que ela pagasse com todos os custos processuais. 

    No entanto, a decisão da juíza – não surpreendentemente - foi favorável a mãe. A magistrada defendeu que a mãe estava apenas exercendo com consistência a autoridade a que tem direito. "Ela não seria uma mãe responsável se deixasse o próprio filho falhar nos estudos por estar distraído pelo smartphone", disse.

    Não é a primeira que um adolescente coloca um parente na Justiça, por causa da tecnologia. No ano passado um austríaco de 16 anos processou os pais que postaram fotos dele criança no Facebook. Além de apelar para os famosos danos morais, o filho ainda pediu que a corte, em sua defesa, proibisse a mãe de manter contato com ele.

    Correio Braziliense

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.