• Últimas Notícias

    segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

    Acusado de matar esposa fisiculturista tem revogação de prisão negada

    A juíza Emanuella Cristina Pereira Fernandes, em processo da 3ª Vara Criminal de Natal, negou pedido de revogação de prisão preventiva feita pela defesa de Alexandre Furtado Paes, acusado de matar a esposa Fabiana Caggiano Paes em 2013. De acordo com as investigações, a fisiculturista foi estrangulada no banheiro de um hotel em Natal, onde estava hospedada com a família.

    A defesa do acusado alegou inexistir fundamento para a custódia cautelar, bem como a crise no sistema penitenciário potiguar e o excesso de prazo para a conclusão da instrução do processo.

    Em sua decisão, a magistrada aponta que Alexandre Furtado Paes passou longo período foragido, “demonstrando inequívoca vontade de se furtar à aplicação da lei penal” e que a prisão preventiva foi decretada para garantia da aplicação da lei penal e por conveniência da instrução criminal, ainda estando presentes os seus fundamentos.

    A juíza Emanuella Pereira Fernandes lembra que o processo apresenta circunstâncias que justificam maior prazo para a sua conclusão, uma vez que foi necessária a expedição de cartas precatórias para diversos Estados, sendo, ainda, cumpridas diligências para localização de testemunhas.

    A julgadora também destaca que os problemas evidenciados nos estabelecimentos carcerários do Estado do Rio Grande, por si só, não justificam a revogação da prisão cautelar.

    http://www.tjrn.jus.br/

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.