• Últimas Notícias

    terça-feira, 24 de janeiro de 2017

    Hospitais do RN completam uma semana sem alimentação, diz Sindsaúde

    Acompanhantes e servidores dos hospitais estaduais do RN estão com a alimentação suspensa desde terça-feira (17), sendo garantida apenas aos pacientes. O motivo é a greve dos funcionários terceirizados da empresa JMT, que ainda não receberam o salário de dezembro.

    Nesta segunda-feira (23), o Sindsaúde reuniu-se com o secretário estadual de Saúde, George Antunes, mas não foi oferecido uma solução para o problema. O governo afirmou que está buscando garantir o pagamento do repasse de novembro para a empresa e autorizou que os servidores buscassem, na medida do possível, dividir o plantão de 12 horas em dois plantões de seis horas, para fazer sua refeição em casa.

    Para o sindicato, a proposta não resolve. "Muitos servidores têm mais de um vínculo, para poder sobreviver. Então não têm como mudar a escala desse jeito. E também a maioria está endividada, com salários atrasando, não tem condições de pagar para comer fora", afirma Rosália Fernandes, do Sindsaúde-RN.

    O vencimento básico inicial de um técnico de enfermagem em regime de 12 plantões de 12 horas é de R$ 1.030,26, além de uma gratificação fixa de R$ 251,69. Os valores estão sem sofrer alteração desde 2014.

    A audiência com o secretário também discutiu outros pontos, como a progressão de 2015 dos servidores, que vem sendo adiada desde novembro, a insegurança no hospital Walfredo Gurgel e o atraso na convocação do concurso público.

    Com informações do Sindsaúde

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.