• Últimas Notícias

    terça-feira, 6 de dezembro de 2016

    Donos da Telexfree são inocentados em processo sobre a venda do serviço VoIP no ES

    Apesar da empresa já ser condenada pela Justiça do Acre por promover pirâmide financeira, e que oferecia um aplicativo por meio do qual seria possível fazer ligações até para telefones fixos e celulares. O juiz Américo Bedê Freire Júnior, da 2ª Vara Federal Criminal de Vitória, absolveu os sócios da   Telexfree, Carlos Costa e Carlos Wanzeler, do crime de desenvolver atividades clandestinas de telecomunicação na venda do serviço VoIP.

    Segundo matéria publicada pelo portal G1, o magistrado avaliou que a acusação feita pelo Ministério Público Federal (MPF) desconsiderou uma questão relevante: como e onde se dava a transposição do tráfego da internet para a rede de telefonia fixa ou móvel. 

    Pirâmide Financeira
    Já o americano James Merril, um dos donos da Telexfree, admitiu ser culpado por "fraude" e "conspiração" à Justiça de Massachusetts, de acordo com informações do jornal The Wall Street Journal. Merril e seu sócio brasileiro, Carlos Wanzeler, são acusados de montar um esquema de pirâmide financeira que atraiu cerca de 1 milhão de pessoas.

    A confissão de Merril foi feita em meio à um acordo com os promotores para redução de pena. Ainda assim, ele poderá pegar até 10 anos de prisão e terá de devolver bens avaliados em US$ 140 milhões.

    O julgamento de Merril será em fevereiro de 2017. Seu sócio brasileiro é considerado foragido nos Estados Unidos.

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.