• Últimas Notícias

    segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

    Aleluia: Renan é afastado da presidência do Senado após tornar-se réu por peculato

    Renan Calheiros é réu no STF por peculato.
    A Rede Sustentabilidade entrou com pedido nesta segunda-feira no Superior Tribunal Federal (STF) para que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) seja afastado do cargo. A medida foi tomada dias após Renan ter virado réu no STF pelo crime de peculato, com pena de 2 a 12 anos. O pedido foi aceita nesta mesma segunda pelo ministro Marco Aurélio de Mello. Em seu pedido, a Rede argumentou que Renan não pode mais permanecer na linha sucessória da Presidência da República.

    De acordo com a ação apresentada pela REDE, “com o recebimento da denúncia, passou a existir impedimento incontornável para a permanência do referido Senador na Presidência do Senado Federal, de acordo com a orientação já externada pela maioria dos ministros do STF”. Outra ação do partido começou a ser julgada no mês passado, mas foi interrompida por um pedido de vista do ministro Dias Toffoli. Seis ministros já haviam considerado que um parlamentar que é alvo de ação penal não pode ser presidente do Senado ou da Câmara. A legenda pede que o Supremo declare que réus não podem fazer parte da linha sucessória da Presidência.

    A Rede argumenta também que o pedido precisa ser analisado com urgência, antes do recesso da Corte, a partir de 20 de dezembro. Caso contrário, o caso só será definido após o fim do mandato de Renan, em 1º de fevereiro, quando termina também o recesso do STF.

    El País

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.