sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Santa Cruz: Polícia divulga fotos dos detidos na Operação 33/16

A 9ª Delegacia Regional de Polícia Civil de Santa Cruz deflagrou, nesta quinta-feira (17), a Operação 33/16 e prendeu cinco homens que são suspeitos pelas práticas dos crimes de tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo. A ação contou com apoio da Delegacia de Tangará e de policiais militares da Rádio Patrulha e o do Grupo Tático Operacional (GTO). Foram presos: Francisco Emanuel Alves da Silva Vulgo, conhecido como “Galego/Magao”; Andre de Lima Soares, que era foragido da Justiça; Iranilson Martins de Araújo; Jose Andrier Santos e Francisco Canindé Pontes. Também foram apreendidos dois adolescentes.

Os policiais apreenderam com os presos uma grande quantidade de maconha, crack e cocaína, além de um ponto de LSD, dois revólveres, espingardas, além de celulares, toucas “ninja” e objetos que possivelmente tenham envolvimento com outros crimes praticados na cidade.

“Todos os presos nesta Operação já possuem passagem pela Polícia e respondem por outros crimes e atos infracionais. Assim, deixamos claro a necessidade de contarmos com a ajuda da população para denunciar criminosos e possíveis locais de crime. Desta foram, nós que fazemos a Polícia poderemos realizar mais Operações e tirar de circulação criminosos que tentam se fixar na cidade”, destacou o delegado regional, Silva Júnior. O nome da Operação é uma alusão aos artigos de crimes, como o artigo 33 da Lei n 11.343 ( Tráfico de drogas) e o artigo 16 da Lei 10.826 ( Estatuto do Desarmamento).

Com informações Policia Civil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.