terça-feira, 29 de novembro de 2016

Avião que levava time da Chapecoense se partiu em três ao tentar fazer pouso forçado

Um dos aviões da LaMia Foto: Facebook / Reprodução
O avião CP2933, da companhia LaMia, que transportava o time da chapecoense até Medelliín se partiu em três ao tentar fazer um pouso de emergência. O piloto, atendendo aos padrões, descartou o combustível antes do procedimento, evitando a explosão. A aeronave tinha 17 anos de uso e era britânica.

A Chapecoense iria jogar a final da Copa Sul-americana nesta quarta-feira, em Medellín. O plano inicial da delegação era fretar um voo direto para Medellín, mas teve seu pedido negado pela Agência Nacional de Aviação (ANAC).

O time saiu de Garulhos em um voo comercial até de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia. Lá, embarcaram na aeronave da LaMian, que decolou com 80 pessoas a bordo: 71 passageiros e 9 tripulantes. Cinco sobreviventes foram confirmados.

Segundo a imprensa local, o avião com o time catarinense perdeu contato com a torre de controle às 1h15, horário de Brasília, e caiu ao se aproximar do Aeroporto José Maria Córdova, em Rionegro, perto de Medellín.

A LaMia faz frequentemente transporte de equipes de futebol pela América Latina, e esse mesmo avião já havia sido usado pelo time catarinense para a partida contra o Junior de Barranquila, em outubro, pelas quartas de final da mesma competição.

A aeronave levou também a seleção Argentina de Belo Horizonte para Buenos Aires, depois da partida contra o Brasil pelas eliminatórias da Copa, no último dia 10.
Com informações O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.