sexta-feira, 21 de outubro de 2016

PF faz ação no Senado e prende quatro policiais legislativos

Resultado de imagem para policia federal prende policiais legislativos
A Polícia Federal (PF) foi ao Congresso, logo no início da manhã desta sexta-feira (21), para cumprir mandados no Senado, em Brasília. Quatro policiais legislativos foram presos por suspeita de atrapalhar as investigações relacionadas à Operação Lava Jato. 

O chefe da Polícia Legislativa, Pedro Carvalho Oliveira, foi conduzido coercitivamente - quando o investigado é levado a depor obrigatoriamente e liberado. Ele e os subordinados foram pegos em ações de contrainteligência para ajudar senadores alvo de investigações do Procuradoria-Geral da República.

De acordo com a PF, Carvalho “ordenou a prática de atos de intimidação à Polícia Federal, no cumprimento de mandado expedido pelo Supremo Tribunal Federal em apartamento funcional de Senador”.

Carvalho é homem de confiança do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) que, segundo sua assessoria, encontra-se em Maceió nesta sexta-feira.

Ao todo, estão sendo cumpridos nove mandados judiciais. O grupo vai responder pelo crimes de associação criminosa armada, corrupção privilegiada e embaraço à investigação de infração penal. Somadas, as penas podem chegar a 14 anos de prisão, além de multa.

Agentes da PF estão neste momento nos gabinetes da Polícia Legislativa do Senado, no subsolo da Casa, para coletar provas. Segundo a PF não estão sendo cumpridos mandados em gabinetes ou endereços de políticos. A ação foi pedida pela Procuradoria-Geral da República.

* Com informações da Agência Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.