• Últimas Notícias

    terça-feira, 13 de setembro de 2016

    Jovem morre após contrair bactéria que "come o cérebro"

    Uma jovem moradora de Maryland, nos Estados Unidos, morreu após virar hospedeira de uma letal bactéria que "comeu" o seu cérebro. As informações são do Mail Online. 

    Kerry Stoutenburgh, de 19 anos, nadava na região de Octoraro Creek e North East Creek quando contraiu a bactéria. Ela pode adentrar o corpo humano através do nariz, e está presentes em lagoas e rios. Na maioria dos casos sua infecção é fatal e pode causar a morte em até cinco dias após os primeiros sintomas aparecerem. 

    Ela foi hospitalizada uma semana depois de pular em um lago em Cecil County relatando vômitos e enxaqueca. Kerry passava as férias de verão no local sua irmã mais velha, Katie, a mãe, Wendy, e seu namorado, Cody. 

    Os médicos trataram os sintomas e a mandaram para casa, mas ela retornou ao hospital ainda pior. Exames comprovaram que o diagnóstico inicial de meningite estava errado. A bactéria Naegleria fowleri causa uma infecção que leva a deterioração do tecido do cérebro. "É um tipo catastrófico de infecção. Ele realmente leva ao óbito muito rápido", disse a doutora Carol Smith. 

    A taxa de mortalidade dos infectados é extremamente alta, cerca de 97%. A agência do Centro de Controles de Doença e Prevenção afirmou que, entre 1962 e 2015, apenas 138 infectados conseguiram sobreviver aos seus efeitos.

    Com informações Rede TV

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.