• Últimas Notícias

    quarta-feira, 22 de junho de 2016

    MPF/PE investiga possíveis irregularidades em cachês de R$ 575 mil a Wesley Safadão, uma ação popular pede cancelamento do show

    O Ministério Público Federal (MPF) em Caruaru (PE) instaurou, nesta terça-feira (21), procedimento – chamado de notícia de fato – para investigar possíveis irregularidades na contratação de shows pela Prefeitura de Caruaru para as festividades de São João no município. A apuração é uma atuação conjunta do MPF, por intermédio da procuradora da República Natália Lourenço Soares, Ministério Público de Pernambuco e Ministério Público de Contas de Pernambuco.

    A investigação leva em consideração notícias jornalísticas publicadas nos últimos dias, que apontaram, a partir de consulta ao Portal da Transparência, que a Prefeitura de Caruaru pagaria valores bem mais altos pelos mesmos shows programados para o São João de Campina Grande (PB). 

    Foi apontado, por exemplo, que os shows de Wesley Safadão, que se apresentará no mesmo dia nas duas cidades, têm valores de R$ 575 mil em Caruaru e R$ 195 mil em Campina Grande. 


    A banda Aviões do Forró cobrou, na cidade pernambucana e na paraibana, R$ 250 mil e R$ 195 mil, enquanto Elba Ramalho cobrou R$ 190 mil para a apresentação em Caruaru e R$ 160 mil para a de Campina Grande.

    Uma ação popular movida por advogados, com pedido de liminar, solicita o cancelamento da show do cantor previsto para o próximo sábado 25, no São João de Caruaru.

     *Com informações do MPF/PE



    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.