• Últimas Notícias

    domingo, 26 de junho de 2016

    Condenados 4 acusados de tentar matar ministro do STJ

    Do G1 AM, com informações da Rede Amazônica
    Quatro réus acusados de uma tentativa de homicídio qualificado contra o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Mauro Marques Campbell, foram condenados neste sábado (25), em Manaus. O crime ocorreu em dezembro de 2006. O ex-procurador geral Vicente Augusto Cruz de Oliveira, que seria o mandante do crime, não foi julgado pois aguarda análise de um recurso da defesa. O júri teve início na manhã da sexta-feira (24). O juiz Anésio Pinheiro anunciou a sentença por volta das 14h deste sábado (25).
    Maria José Dantas da Silva, ausente no julgamento, foi condenada a 14 anos de reclusão; Lenilson Braga da Silveira, a 15 anos e 6 meses; Osvaldo Silva Bentes, a 12 anos e 6 meses; e Jane da Silva Santos a 15 anos e 6 meses. A defesa de Maria Silva e Osvaldo Bentes deve recorrer da decisão em instância superior.
    Segundo a denúncia do Ministério Público, o mandante do crime seria o ex-procurador-geral de Justiça do Amazonas, Vicente Cruz. Ele não foi julgado pois a segunda Vara do Tribunal do Júri ainda aguarda uma análise de um recurso da defesa. Cruz, chegou a ficar 3 dias detido no antigo gabinete dele em janeiro de 2007.
    Outro réu do processo, Elson dos Santos Morais, também não foi submetido a julgamento nesta sexta, porque recorreu da acusação. De acordo com as investigações, a motivação do crime - ocorrido há 10 anos - teria sido a disputa eleitoral entre os ex- procuradores pelo cargo de procurador-geral de Justiça do estado.

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.