• Últimas Notícias

    sexta-feira, 3 de junho de 2016

    Capitão Styvenson poderá ser afastado do comando da Lei Seca no RN

    Na tarde desta sexta-feira, 3, a Polícia Civil do Rio Grande do Norte, protocolou documento junto a Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesed), solicitando o afastamento do capitão Eann Styvenson Valentim, do comando da Operação Lei Seca, no Estado. A princípio o capitão deverá ser afastado por 30 dias, podendo ser prolongado por mais outros 30 dias.

    De acordo com a assessoria da Sesed, a solicitação do afastamento do capitão Styvenson se deu em decorrência de recentes declarações feitas por ele nas redes sociais, criticando o comportamento de delegados e agentes da Polícia Civil, no exercício de suas funções. Diante do ocorrido, foi aberta uma sindicância para apurar as declarações do militar.

    Ainda conforme a assessoria da Sesed, tanto os policiais civis, como os militares, são favoráveis ao afastamento do comandante, até que sindicância transcorra. “Como o capitão Styvenson está diariamente a frente das operações da Lei Seca, ele terá que comparecer a delegacias para registrar ocorrências, porém depois do mal estar que foi gerado, a melhor coisa a ser feita é o afastamento dele enquanto a sindicância”, explicou a assessoria da Sesed.

    No documento protocolado junto a Sesed também é solicitado à devolução do oficial aos quadros da Polícia Militar. O secretário da Sesed Ronaldo Lundgren, ainda não se pronunciou sobre o caso, porém analisa a situação, que poderá ter um desfecho nas próximas horas. 
    (O Mossoroense)

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.