• Últimas Notícias

    quinta-feira, 28 de abril de 2016

    Ipem registra 31 denúncias no primeiro quadrimestre de 2016, mas acidentes de consumo ainda são pouco relatados no RN

    De janeiro a abril de 2016, a Ouvidoria do Instituto de Pesos e Medidas do Rio Grande do Norte (Ipem-RN) recebeu 31 notificações, entre denúncias e reclamações. Denúncias com relação ao funcionamento de bombas medidoras de combustíveis lideram o ranking de registros dos usuários junto ao órgão no período de 1º de janeiro a 26 de abril, somando 15 ocorrências. Produtos pré-medidos vendidos em quantidade diferente do indicado na embalagem, comercialização de pão francês em unidade e mau funcionamento de balanças vêm logo em seguida na lista de maiores demandas, com dois registros cada.
    “O consumidor está mais atento aos seus direitos e reclamando mais. Um exemplo claro disso é que, nesse mesmo período de 2015, nossa Ouvidoria registrou 29 denúncias, número já superado em 2016”, contabiliza a ouvidora do órgão delegado do Inmetro no Estado, Socorro Freitas. Em todo o ano de 2015, a Ouvidoria do órgão realizou 103 atendimentos.
    No entanto, a ouvidora lembra que também é importante registrar os acidentes de consumo, pois os dados são utilizados para referenciar a regulamentação de serviços e produtos pelo Inmetro. “É por meio desses números que a fiscalização é intensificada pelos órgãos delegados e a normalização de produtos e serviços é desenvolvida, trazendo mais segurança para o consumidor brasileiro”, acrescenta Socorro, que reforça: “Esse tipo de registro ainda não é muito comum no nosso Estado. É preciso que as pessoas informem mais”.
    De acordo com o Sistema Inmetro de Monitoramento de Acidentes de Consumo (Sinmac), o Rio Grande do Norte registrou apenas dois casos dessa natureza em 2015. A primeira ocorrência, registrada em janeiro do ano passado, referiu-se a um corte provocado por uma tampa de embalagem de refrigerante; e a segunda, relatada no sistema em maio, referiu-se a asfixia provocada por berço infantil. Em 2014, o Estado também havia registrado apenas duas ocorrências de acidentes de consumo no sistema: um acidente causado por uma peça de vestuário e outro com peça veicular.

    “A população costuma denunciar mais problemas nos produtos, nas centrais de atendimento ao consumidor ou em órgãos como o Procon, por exemplo, mas não atenta para a importância do registro quando sofre um acidente de consumo”, alerta o diretor do Ipem-RN, Cyrus Benavides.
    O registro é essencial para que seja possível mapear as ocorrências, identificar os fatores de risco e encaminhar os dados a uma comissão que propõe políticas públicas, reformulação ou criação de normas técnicas do Inmetro, e até termos de ajuste de conduta assinados pelo fornecedor para aperfeiçoar a segurança de produtos e serviços.  “Contamos muito com o consumidor nessa busca por melhorias dos produtos e serviços. Por isso, precisamos que ele nos informe em caso de acidentes”, reforça Cyrus Benavides.
    ACIDENTES DE CONSUMO NO BRASIL
    Acidentes de consumo são causados por produtos ou serviços que, embora utilizados de acordo com as recomendações do fornecedor (manual de instruções, embalagem, rótulo, bula, dentre outros), provocam danos que prejudicam a saúde ou segurança do consumidor. Queimaduras, cortes ocasionados por embalagens inadequadas, choques e quedas são alguns dos exemplos mais comuns.
    Em março deste ano, o Inmetro divulgou o relatório do Sinmac referente ao ano de 2015. O levantamento aponta que embalagens metálicas lideraram como o produto que mais causou lesões (25%). No que se refere à faixa etária, os mais afetados foram os consumidores entre 31 e 40 anos (18%). Já o percentual de registro de acidentes com crianças de 0 a 3 anos aumentou de 8% para 12%. 
    Segundo o assistente da Diretoria de Avaliação da Conformidade do Inmetro, Paulo Coscarelli, essa elevação se deve, provavelmente, ao recall de berços infantis e ao aperfeiçoamento do regulamento do produto realizados no ano passado. As ações foram deflagradas a partir da identificação de relato, no Sinmac, sobre um acidente fatal envolvendo um modelo de berços. “É comum termos um aumento no registro de determinado item quando casos se tornam mais populares, como ocorreu em 2015 com berços e escadas domésticas”, explica.
    REGISTRE

    Para registrar qualquer acidente de consumo que tenha sofrido, o consumidor potiguar deve acessar a página do Ipem-RN na internet e clicar no banner “Acidente de Consumo”, que o direcionará imediatamente para a página do Inmetro, onde deverá ser preenchido um formulário. O endereço é o www.ipem.rn.gov.br.

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.