• Últimas Notícias

    sábado, 9 de abril de 2016

    Aumento do número de ateus no Brasil já preocupa igreja católica

    Há 34 anos, Jesus deixou de acreditar em Deus, por causa da influência de um amigo. O repórter-fotográfico José Jesus Vicente, hoje com 52 anos, virou ateu – uma minoria, mas que está crescendo. Mais que a concorrência de outras religiões, a Igreja Católica está preocupada agora com o aumento do ateísmo no Brasil.

    Dados reservados, levados à 54.ª Assembleia-Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Aparecida (SP), mostram que o número de brasileiros que se declaram ateus subiu de 7,9%, em 2010, para 8,9% em 2014. São pessoas como José Jesus.

    Nascido de família católica, batizado com os nomes do pai de Cristo e do próprio filho de Deus, segundo a crença cristã, José Jesus se tornou ateu aos 18 anos por influência de um amigo que não acreditava nem no Deus cristão nem em nenhum outro. “É uma coisa que aborrece muito minha mãe, católica fervorosa. Acredito na coincidência das coisas, mas não aceito essa ideia de Deus acima de tudo, supervisionando tudo.”

    Ele conta que, até os 18 anos, frequentou a Igreja e chegou a fazer a primeira comunhão, conforme o ritual católico. “Aí cheguei naquela encruzilhada com muitos trilhos à minha frente e fiz a escolha. Descobri que o caminho mais sensato era o de ateu.” Curiosamente, José Jesus tem uma empresa com nome bíblico, Aarão Editora, que tem entre os clientes o Esporte Clube São Bento, de Sorocaba. “Eu leio a 'Bíblia' e, quanto mais leio, mais ateu fico.”

    Com informações do Estadão Conteúdo.

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.