Ultimas Noticias

quinta-feira, 10 de março de 2016

Ministério da Saúde investiga 4.231 casos suspeitos de microcefalia

O Ministério da Saúde está investigando 4.231 casos suspeitos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso, sugestivas de infecção congênita.

Dos casos já analisados, 745 foram confirmados e 1.182 descartados. Desde o início da investigação, foram notificados 6.158 casos suspeitos de microcefalia. Os dados do informe epidemiológico do Ministério da Saúde são enviados semanalmente pelas secretarias estaduais de Saúde e foram fechados no último sábado (05), relata informação do órgão de imprensa do Ministério.

Os 745 casos confirmados ocorreram em 282 municípios, localizados em 18 unidades da federação: AL, BA, CE, MA, PB, PE, PI, RN, SE, ES, MG, RJ, PA, RO, GO, MT, MS e RS. Os 1.182 casos descartados foram classificados por apresentarem exames normais, ou apresentarem microcefalias e/ou alterações no sistema nervoso central por causas não infeciosas.

Os 6.158 casos notificados, desde o início das investigações, estão distribuídos em 1.179 municípios, de todas as regiões do país. A maioria foi registrada na região Nordeste (4.827 casos, o que corresponde a 80%), sendo PE a unidade da federação com o maior número de casos que ainda estão sendo investigados (1.214).

Em seguida, estão a BA (609), PB (447), RJ (289), RN (278) e CE (252). Até o momento, sinalizaram ao Ministério da Saúde a circulação autóctone do vírus Zika 22 unidades da federação: GO, MG, DF, MS, RR, AM, PA, RO, MT, TO, MA, PI, CE, RN, PB, PE, AL, BA, ES, RJ, SP e PR.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.