• Últimas Notícias

    sexta-feira, 4 de março de 2016

    Cassado vereador ostentação que exibiu maços de dinheiro para gastar “com quengas” no interior da Paraíba

    Vereador de Cuité ostentação
    Em meio à convulsão que o País experimenta nas últimas horas, com a delação do senador Delcídio Amaral e a decisão da Lava Jato de levar o ex-presidente Lula (e familiares) para depor, eis que vem uma curiosidade de Cuité, no Curimataú Paraibano: o vereador Marco Vinicius Silva (PSB) foi cassado, na noite desta quinta (dia 3).

    Nada muito surpreendente, não fosse pelo pequeno detalhe que, no mês de outubro do ano passado, esse mesmo vereador exibiu-se em vídeo, contando maços de notas de R$ 50 e R$ 100, e dizendo que o dinheiro seria para gastar com “quengas”. O vídeo causou imensa comoção em Cuité. O outro detalhe surpreendente é que ele não foi cassado pela ostentação…

    Mas, por ter faltado a mais de 60% das sessões, ao longo de 2015, quando certamente passou mais tempo contando dinheiro e gastando. Nos autos para sua cassação, constam  diversas fotos do Vereador Vinicius, que mesmo faltando as sessões da câmara, continuava ostentando uma vida de farras e bebedeiras. 

    Com sua cassação, quem assume sua vaga é o suplente Messias.

    Segundo o vereador Renan Furtado, Presidente da Comissão processante, foi observada toda a legislação sobre o assunto, especialmente, a Lei Orgânica do Município, o Regimento Interno da Câmara Municipal, as Constituições Estadual e Federal e o Decreto Lei 201/67, “que tratam do assunto”.

    Blog do Helder Moura

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.