• Últimas Notícias

    terça-feira, 12 de janeiro de 2016

    Falha no WhatsApp permite travar o app de um contato; saiba resolver

    Bug WhatsApp Web (Foto: Reprodução /Luciana Maline)Um novo bug no WhatsApp permite que qualquer usuário derrube o app de uma pessoa com apenas uma mensagem. A falha no programa foi descoberta pelo pesquisador indiano Indrajeet Bhuyan, que aprendeu como fazer o mensageiro travar ao receber 5.000 emojis no corpo de um mesmo recado.  

    De acordo com Bhuyan, o bug só pode ser corrigido quando o usuário atacado apagar o histórico de conversas no bate-papo, o que é bastante prejudicial. Apesar de poder ser feito por qualquer um, é possível enviar o erro somente pelo WhatsApp Web.   

    Segundo o pesquisador da Índia, essa pode ser uma ferramenta usada para golpes e diversos outros tipos de finalidade, como, por exemplo, uma possível chantagem. 

    “Imagine que a pessoa mandou uma mensagem abusiva para a vítima. Agora, a vítima não pode mais mostrar a mensagem como prova. O chat todo vai travar e ela não poderá reabrir, a não ser que ela apague todo o histórico de conversas com quem está atacando você”, afirma Bhuyan.

    O TechTudo testou a tese do pesquisador, e, de fato, a falha ocorre, especialmente em celulares Android. Quando o destinatário tem um iOS, o mensageiro fica lento e apresenta uma queda de desempenho, mas não chega a travar ou fechar. No sistema do Google, porém, a única opção é encerrar o programa. Para fazer o WhatsApp voltar ao normal, é preciso deletar o histórico de mensagens. 

    Via Independent / Tech Tudo

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.