• Últimas Notícias

    terça-feira, 29 de dezembro de 2015

    Ninguém se entende: Rui Falcão pede 'ousadia' na economia e irrita Planalto

    JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL
    O presidente nacional do PT, Rui Falcão, divulgou ontem mensagem de fim de ano em que cobra “ousadia” na condução da política econômica do País e ataca a perspectiva de alta da taxa de juros em janeiro.

    Intitulado “Uma nova e ousada política econômica para 2016”, o texto diz que o governo da presidente Dilma Rousseff “precisa se concentrar na construção de uma pauta econômica que devolva à população a confiança perdida após a frustração de seus primeiros atos”.
    A divulgação da mensagem causou irritação no Palácio do Planalto e contrariou a nova equipe econômica num momento em que o governo teme perda de credibilidade com a troca de Joaquim Levy por Nelson Barbosa no comando da Fazenda.
    Assessores presidenciais disseram à reportagem que a cobrança do petista não foi bem recebida por Dilma, que, desde a saída de Levy, se esforça para afastar a hipótese de o governo abandonar o ajuste fiscal.
    Na nota, no entanto, Falcão critica o ajuste e prega a adoção de medidas propostas pelas centrais sindicais e por movimentos sociais.
    “Chega de altas de juros e de cortes em investimentos”, escreveu Falcão, citando CUT e MST, entre outras entidades, como fontes de propostas a serem implementadas.

    Sem citar a intenção do governo de encampar uma reforma da Previdência, Falcão defende a manutenção de direitos “duramente conquistados pelo povo”. (das agências de notícias)

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.