• Últimas Notícias

    terça-feira, 29 de dezembro de 2015

    Crueldade: Mãe suspeita de esganar filho em vídeo presta depoimento

    Mãe suspeita de esganar filho em vídeo presta depoimento A polícia investiga vídeos que supostamente mostram uma criança de três anos sendo agredida pela própria mãe em Curitiba. A mulher, de 21 anos, foi denunciada pelo pai da criança, de quem está separada há cerca de um mês.
    Segundo o pai, as imagens mostram Thaís Caroline Chaves esganando a criança, que chora e parece ficar sem ar durante a agressão. Ela compareceu ao Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria) nesta segunda-feira (28) para prestar esclarecimentos sobre o vídeo.
    O pai da criança, que também foi ouvido, disse que recebeu o vídeo da agressão no celular há cerca de 15 dias. Segundo ele, a mãe ameaçou matar a criança caso os dois não voltassem a viver juntos. “Ela fez a tortura do vídeo e mandou para mim: ‘você volta para mim porque eu estou batendo no seu filho, eu vou matar o seu filho”, relatou Paulo Braz.
    A defesa da mãe negou as agressões. “No primeiro vídeo, em que aparece só a mão, não é ela. Não sabemos quem é, a informação é que alguém fez uma montagem desse vídeo tentando denegrir ela. O segundo vídeo estamos investigando”, disse o advogado Cleyson Landucci.
    Ainda conforme o pai, no sábado (26) a mulher apareceu na casa dele acompanhada de dois homens, um deles armado, e levou o filho à força. Foi quando ele resolveu compartilhar o vídeo com parentes. A criança segue com a mãe enquanto o caso é investigado.

    Com informações G1

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.