• Últimas Notícias

    sábado, 6 de dezembro de 2014

    Sargento é preso por não bater continência

    Ele estaria com uma doença que o teria impedido de levantar o braço Joelson Macena (Crédito: Reprodução:internet)
    Um sargento Bombeiro Militar, lotado no 3º Batalhão de Bombeiros Militar da Paraíba, sediado em Guarabira, está há mais de 40 dias preso por não ter batido continência para um superior. Segundo apurou o Grande Jornal 850 da Rádio Rural, o sargento Di Sousa havia sido diagnosticado com uma crise de bursite e por isso, não pode levantar o braço. Di Sousa foi enquadrado no Artigo 160 do Código Penal Militar e está detido. O promotor Marinho Mendes Machado, integrante da Comissão de Direitos Humanos do Estado da Paraíba tomou conhecimento do fato e criticou a prisão do sargento, acusando o comandante do 3º Batalhão, Joelson Macena, de omissão.
    “O pior de tudo e que causa perplexidade, é que o chefe maior da corporação se omite e permite que tenentes e capitães causem um verdadeiro terror, assédio moral e horror à tropa”, disse o promotor em texto publicado nas redes sociais.
    Joelson Macena falou ao mesmo programa da Rádio Rural e esclareceu que o caso está nas mãos da Justiça Militar do Estado da Paraíba, que deverá se pronunciar em breve. Ele ainda disse que o Batalhão está fazendo todos os esforços possíveis para atenuar os efeitos danosos da prisão do sargento. Macena não descartou o retorno de Di Sousa: “Espero que não (o sargento saia). O sargento sempre se mostrou um bombeiro militar solícito ao cumprimento de suas missões”.
    WSCOM Online

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários. Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

    IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.