• Últimas Notícias

    quinta-feira, 25 de julho de 2013

    Homem mata mulher a pauladas e comete suicídio em Ceará-Mirim

    Fotos: Cedidas / Portal BO
     

     
    Na manhã desta quinta-feira (25), a polícia foi acionada para um crime de homicídio na cidade de Ceará-Mirim, onde um homem teria matado a companheira e, em seguida, cometido suicídio. As duas mortes aconteceram em uma casa, na comunidade conhecida como Rio dos Índios.
    Informações repassadas pela polícia dão conta que o homem, identificado como Francisco das Chagas de Araújo, de 26 anos, teria matado a mulher, Maria do Livramento Silva, de 21 anos, com pauladas. Logo depois, ele tirou a própria vida, enforcando-se em uma corda amarrada a uma árvore. 

    O crime foi registrado por volta das 7h, quando populares acionaram os policiais militares de Ceará-Mirim. Porém, ainda de acordo com a polícia, não se sabe o que teria motivado a atitude de Francisco das Chagas. O capitão Harisson informou que somente depois que familiares dos dois forem ouvidos é que a polícia saberá alguma motivação.


    Campanha de Dilma em 2010 recebeu R$ 500 de beneficiária do Bolsa Família

    Uma beneficiária do Bolsa Família doou R$ 510 para a campanha de Dilma Rousseff (PT) à Presidência da República em 2010. O valor, registrado no Tribunal Superior Eleitoral, é R$ 18 a menos do que Sebastiana da Rocha, cadastrada no Portal da Transparência como moradora de Cuiabá, recebeu em 2010 do programa de transferência de renda do governo federal, voltado a famílias em situação de pobreza e extrema pobreza. 

    O Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) confirma tratar-se da mesma pessoa e diz que apura outros casos similares. Reportagem do jornal Folha de S. Paulo mostra que Sebastiana desde que começou a receber o benefício trabalhou como funcionária temporária de uma escola estadual em Campo Verde (MT) em pelo menos três ocasiões. 

    A remuneração mínima da função que ela exerceu é de R$ 1.255,33. O MDS afirmou que vai entrar em contato com o gestor local do programa para avaliar a condição social da família da contemplada e aguarda um parecer da prefeitura de Campo Verde, no sudeste mato-grossense.


    Vândalo oficial: Agente da Abin foi preso em protesto

    Presos pela Polícia Militar sem documentos na madrugada de 18 de julho no Leblon, palco de uma das mais violentas manifestações do Rio, perto da residência do governador Sérgio Cabral, o casal de geógrafos Igor Pouchain Matela e Carla Hirt foram levados à 14ª DP, no bairro. Carla foi detida no momento em que supostamente atirava pedras na vidraça de uma loja, e Igor, por ter desacatado os PMs que a prenderam. O caso seria mais um dos que marcam os bastidores dos protestos na cidade, não fosse por um detalhe: segundo os policiais de plantão naquele dia, os dois se apresentaram como agentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e agora são tratados como suspeitos de estarem ali trabalhando infiltrados. A Comissão Especial de Investigação de Atos de Vandalismo (CEIV) e a Polícia Civil estão investigando o caso.
    A Polícia Civil confirmou ao GLOBO que Igor e Carla se apresentaram como agentes da Abin ao chegarem à delegacia. Também informou que, de acordo com o relato do delegado titular da 14ª DP, Rodolfo Waldeck, Carla foi presa em flagrante por formação de quadrilha, e Igor, por desacato a um PM. Na delegacia, Igor também teria desacatado a delegada Flávia Monteiro, responsável pelo plantão no dia. Carla foi autuada por formação de quadrilha e liberada após pagamento de fiança. Igor, por crime de desacato. Os dois não foram localizados para comentar a denúncia.

    Ministros estouraram gasto com passagens

    Um relatório de dados fornecido pelo Tribunal de Contas da União (TCU), por meio da Lei de Acesso à Informação, mostra que três ministros extrapolaram os gastos permitidos com passagens aéreas para as chamadas "representações institucionais", viagens que seriam motivadas pelo exercício do cargo e cujos destinos são mantidos em segredo. Uma resolucao de 2009 do próprio órgão estabeleceu que cada ministro não pode gastar mais de R$ 43,2 mil com passagens aéreas - R$ 50,9 mil, em valores atualizados pela inflação - nessas viagens.
    O ministro Benjamin Zymler, ex-presidente do TCU, gastou R$ 87,5 mil em passagens em 2011. Já os ministros Walton Alencar e Aroldo Cedraz gastaram R$ 59,8 mil e R$ 55,9 mil, respectivamente, em 2012. O tribunal não esclarece o que seriam as "representações institucionais". O GLOBO questionou sobre a possibilidade de as passagens estarem sendo utilizadas pelos ministros para viajar a seus estados de origem, mas não houve resposta. Em tese, as viagens serviriam para representar o tribunal em congressos, seminários e outros eventos oficiais. A resolução do TCU é baseada em documento similar do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que regula a concessão das passagens aéreas. A resolução do STJ não cita "representações institucionais", termo criado pelo TCU. No fim de 2012, uma nova resolução do STJ atualizou o valor de gastos máximos para R$ 45,5 mil e detalhou como os ministros daquela Corte podem usar as passagens aéreas para ir a seus estados de origem.